Deusa Ísis, a Grande Senhora da Magia

Deusa Ísis, a Grande Senhora da Magia

Thays da Silva
Monitora do Museu Egípcio

Conhecida como deusa da magia, exemplo de mãe e esposa ideal, protetora do lar e das crianças, a deusa Ísis foi adorada em diversos períodos da história egípcia antiga. Com templos em locais como Quft, Behbeitel-Hagar e Ilha de Philae, sendo o último o mais conhecido, Ísis é uma das deusas mais populares da cultura egípcia. Referências a ela podem ser encontradas em diversos mitos, sendo os mais conhecidos o mito da “Criação do Mundo”, da cidade de Heliópolis, e o mito de “Isis e Rá”.

Ísis seria parte do panteão principal do mito da cidade de Heliópolis, formado por nove deuses. Segundo esse mito, essa divindade teria se casado com seu irmão, o deus Osíris, deus relacionado ao mundo dos mortos e à ideia de vida após a morte. Os dois formaram, segundo a crença egípcia, o primeiro casal real. Ísis também foi a mãe do deus Hórus, divindade relacionada ao poder dos faraós.

No mito de Ísis e Rá, essa deusa teve o intuito de descobrir o nome verdadeiro do deus, e assim desejava obter domínio sobre seu poder. Para isso, teria feito com que uma serpente envenenasse esse deus e, em troca de sua cura, Rá teria que lhe dizer seu verdadeiro nome. Depois, com o poder adquirido por Ísis a partir desse conhecimento, essa divindade restabeleceu as forças do deus. Esse mito é muitas vezes associado a um importante aspecto da figura de Ísis, que consiste em sua relação com a magia.

Ísis é representada como uma mulher com um trono sobre sua cabeça e, como personificação desse objeto, a deusa foi uma representação importante do poder faraônico, da mesma forma que a própria figura do faraó foi associada a seu filho, o deus Hórus.

Um amuleto egípcio chamado “Tyet”, comumente conhecido como “Nó de Ísis” também é relacionado a essa divindade. Esse item teria formato similar ao “Ankh”, amuleto que, para os antigos egípcios, representava a vida. No entanto, o “Tyet” teria as extremidades laterais curvadas para baixo. Segundo a crença dos antigos egípcios, esse amuleto garantiria a proteção daqueles que o utilizassem.

Ísis teve inúmeros títulos ao longo de toda a história da civilização egípcia antiga, como “Rainha do Céu”, “Mãe dos Deuses”, “A mais brilhante no firmamento”, “Grande Senhora da Magia”, “Senhora das Palavras de Poder”, entre outros. Após a conquista do Egito por Alexandre, O Grande, o culto a essa divindade estendeu-se à civilização greco-romana.